ENSAIO: Citroën C4 1.6 e-HDi

Linhas modernas, mais consensuais, dão-lhe um aspecto mais sólido e convincente. O interior do novo C4 revela também uma selecção mais criteriosa de materiais e é evidente uma melhor qualidade de construção num maior rigor da montagem. Tudo isto resulta com que fique bastante mais próximo do patamar seguinte, o C5.
Dir-se-ia que o objectivo foi exactamente esse. De resto, a silhueta dianteira, nomeadamente ao nível da estilizada grelha, confunde-os, reafirmando uma imagem dinâmica e até mais sofisticada. Já lateralmente a ideia que fica é a de um novo C3 mais encorpado.

Comercializado para já apenas numa versão berlina, com 5 portas, a traseira surge melhor integrada no conjunto, de forma bastante mais harmoniosa do que na geração anterior, realçada ainda pelo design bem conseguido e envolvente de um grupo óptico que inclui iluminação led.
Gradualmente e com segurança, a Citroën tem reclamado de volta os pergaminhos de construtor arrojado e revolucionário. Sem por isso comprometer a fiabilidade dos seus produtos que, apesar de ousados, satisfazem os exigentes padrões europeus de qualidade e segurança.
Muito bom para uma marca que, como uma vez me disse em tom de brincadeira o responsável de uma concorrente da Citroën, era encarada como a "marca branca" do grupo francês PSA!

Motorização comprovada

Regressemos ao novo C4. Tomado nas mãos, a sensação de solidez reforça-se durante a condução. A direcção tem o “peso” devido e a suspensão, mais firme, mais ágil e com isso mais dinâmica, corresponde às expectativas (boas) que já tinha da motorização ensaiada.
Este 1.6 HDi (agora anunciado com 112 cv) é muito provavelmente, na sua classe, o motor mais produzido dos tempos actuais, abastecendo marcas tão diversas como a Peugeot, a Ford, a Mazda, a Volvo ou a própria BMW, através da Mini. Tal facto, quanto mais não seja, deve pelo menos ser sinónimo de um aperfeiçoamento constante e abonar a favor da sua qualidade.
De acordo com as exigências actuais, os modelos devem ser cada vez menos poluentes. Isso é conseguido através de uma poupança nos consumos, obtido através de sistemas como o "Stop & Go" e da diminuição de atritos de rolamento. Mas muito depende também do contributo de quem conduz, e do respeito que o condutor mostre às indicações fornecidas no quadro de instrumentos que aconselham a mudança certa para cada ocasião.
Tenham 110 cv ou 112 cv, as suas versões com preocupações mais ecológicas (e-HDi, tecnologia micro-híbrida) reclamam consumos médios entre os 4,2 e os 4,6 litros. A média do ensaio ficou um litro acima desse valor máximo.


Bagageira privilegiada

Se o C4 aparece mais seguro e desenvolto, não é menos verdade que mantém uma posição de condução envolvente e agora ainda mais funcional com um regresso (saudável) ao conceito clássico. É que o painel de instrumentos deixou a fórmula digital e a posição central/elevada sobre o tablier, para retomar uma posição mais tradicional (e desportiva) atrás do volante, com instrumentos redondos e mais vistosos. O mesmo aconteceu ao volante que perdeu a posição central fixa, mantendo contudo a maioria dos controlos anteriores.
Isso resultou numa maior funcionalidade e numa mais rápida leitura dos comandos, mas veio também favorecer a visibilidade.
Quem ocupa os lugares dianteiros viaja garantidamente de forma confortável, apesar da suspensão se revelar menos permissiva. Mas se o habitáculo consegue rentabilizar melhor o aproveitamento dos pequenos espaços (destaque para a boa volumetria do porta-luvas), o espaço traseiro parece ter sido preterido a favor de uma maior capacidade da mala, que supera os 400 litros na presente geração. Apesar de tudo, o bom acesso aos lugares anteriores, a compleição dos bancos e a largura do mesmo minoram qualquer eventual desconforto dos ocupantes.



Dados mais importantes

Preços desde26000 (1.6 HDi gasóleo)
22000 (1.6/120 cv VTi- gasolina)


Motor1560 cc, 4 cil/8 V, 112 cv às 3600rpm, 270 Nm das 1750 às 2000 rpm, common rail, turbo, geometria variável, intercooler

Prestações190 km/h, 11,3 seg. (0/100 km/h)
Consumos (médio/estrada/cidade)4,6 / 3,9 / 5,8 litros
Emissões Poluentes (CO2)119 gr/km




Mais Modelos Citroën recentemente ensaiados

1 comentário:

  1. Obrigada pela informação. Ajudou-me a conhecer melhor este veículo

    ResponderEliminar