Em caso de um acidente grave, o acesso rápido a informação do veículo pode evitar uma tragédia maior

O tempo é de ouro quando se trata de resgatar um ferido grave encarcerado dentro de um automóvel. Num sinistro rodoviário grave, escassos minutos podem fazer a diferença entre a vida e a morte dos intervenientes. De modo a facilitar a acção das equipas de socorro - e dessa forma ajudar a minorar os danos da ocorrência -, o ACP, Automóvel Clube de Portugal, está a desenvolver e a oferecer fichas de seguranças que devem ser afixadas junto à pala de sol do lado do condutor. Os documentos podem ser "descarregados" na página oficial do clube automobilístico (ver AQUI) e colocados na pala de sol do lado do condutor. A ficha de segurança contém dados específicos sobre cada modelo, nomeadamente os pontos mais fáceis e mais seguros para proceder ao corte da chapa.


Uma das dificuldades com que as equipas de socorro se deparam no desencarceramento de um veículo após um acidente de viação é a dificuldade em saber onde “cortar” a viatura.
Até há alguns anos, 10 minutos era o tempo médio necessário para “abrir” um automóvel e retirar um ocupante ferido. Nos automóveis de última geração essa tarefa complicou-se, sendo necessário muito mais informação para o poder fazer de forma segura: a localização dos componentes de alta tensão, as cargas dos airbags, o tipo de combustível e quais os melhores pontos de corte da carroçaria, por exemplo.
De modo a facilitar a acção das equipas de socorro - e dessa forma ajudar a minorar os danos da ocorrência -, o ACP, Automóvel Clube de Portugal, está a desenvolver e a oferecer fichas de seguranças que devem ser afixadas junto ou na pala de sol do lado do condutor. Cada documento contém dados específicos sobre a viatura e pode ser “descarregado” a partir da página oficial do ACP na internet. (ver AQUI)
Além das informações anteriormente mencionadas, é mencionada a posição do tanque de combustível, o número e a localização dos airbags, dos cintos de segurança e das botijas de gás que auxiliam a acção destes dois equipamentos, bem como uma configuração básica da estrutura de reforço da carroçaria.
De modo a alertar para a existência dessa ficha, o ACP disponibiliza um autocolante que deve ser afixado no vidro da frente do veículo. Esse autocolante pode ser também "descarregado" via internet ou levantado em qualquer uma das suas delegações.
“Cockpit automovel” recomenda ainda que se acrescentem outras informações: o tipo de sangue dos utilizadores habituais do veículo, acompanhado de uma pequena foto, sexo e data de nascimento. É também importante acrescentar informações vitais de saúde, como reacções alérgicas, doenças graves e a utilização de próteses, como aparelhos “pacemakers”, por exemplo. Por fim, o nome e o contacto telefónico da(s) pessoa(s) que necessitarão ser alertadas em caso de sinistro.

1 comentário:

  1. gostei muito , seria nescessario a implantaçao o mais breve possivel

    ResponderEliminar