APRESENTAÇÃO: Citroen C4 (MY 2015)

- Motores mais eficientes, uma nova assinatura luminosa e mais equipamento.

- Painel de bordo mais simples com ecrã táctil de 7"

- Evolução do motor 1.6 HDi, com versões de 100 e 120 cv. A gasolina, motor 1.2 PureTech de 110 cv

- Novas tecnologias como sistema de acesso e arranque em mãos livres, assistência ao arranque em plano inclinado, controle de tracção inteligente e sistema de monitorização de ângulo morto


Lançado em 2010, um novo Citroën C4 chega aos mercados em 2015 com motores actuais, uma nova assinatura luminosa e mais equipamento. Apresenta ainda um interior renovado com um painel de bordo que ganha simplicidade e um ecrã táctil de 7 polegadas, colocado em posição central, com controlo e visualização de todas as funções de comunicação e de navegação.

O motor 1.6 HDi, agora apto a cumprir a norma Euro 6, tem versões de 100 e 120 cv e mais binário do que na anterior geração: 254 Nm para o bloco BlueHDi 100 S&S BVM e 300 Nm para o motor BlueHDi 120 S&S BVM6.

O motor BlueHDi 100 S&S BVM regista, em circuito misto e na versão mais eficiente, consumos médios de 3,3 l/100 km e emissões de CO2 de 86 g/km. Quanto ao motor BlueHDi 120 S&S BVM6, o consumo médio é de 3,6l/100 km em circuito misto e as emissões de CO2 de 93g/km.

A gasolina, um motor 1.2 PureTech 110 BVM desenvolve uma potência máxima de 110 cv às 5 500 rpm e um binário de 205 Nm às 1750 rpm. Tem um consumo misto de 4,7 l/100 km e emissões de 110 g/km de CO2.

O conforto é reforçado com um melhor tratamento acústico, pelo reforço dos bancos (banco do condutor com função de massagem) e pelo grande tejadilho panorâmico vidrado e dotado de uma cortina eléctrica.

Não se alteram os valores de habitabilidade e o volume da bagageira de 408 litros.

Entre as novas tecnologias que disponibiliza contam-se o sistema de acesso e arranque em mãos livres, a assistência ao arranque em plano inclinado, o controle de tracção inteligente e o sistema de monitorização de ângulo morto (SAM).

O sistema CITROËN Connect Box inclui assistência localizada e chamadas de emergência, um livro de assistência virtual e um serviço de Eco Driving, acessíveis através da Internet.

Seguem-se os detalhes.

Mecânica com Adblue®

O conjunto de motores Euro6 inclui um novo bloco PureTech a gasolina e dois BlueHDi Diesel.

O PureTech de 3 cilindros a gasolina, sobrealimentado, desenvolve uma potência máxima de 110 cv CEE às 5.500 rpm e um binário de 205 Nm às 1750 rpm. Tem um consumo anunciado de 4,7 l/100 km e emissões de 110 g/km de CO2 quando colocado em modelos equipados com pneus de Ultra Baixa Resistência ao Rolamento (UBRR).

Quanto aos novos motores Diesel BlueHDi, ambos com uma cilindrada de 1.560 cm3, oferecem, respectivamente, potências máximas de 100 cv às 3 750 rpm e 120 cv às 3 500 rpm. Com binários mais elevados do que na anterior geração, o bloco BlueHDi 100 S&S BVM garante 254 Nm ás 1.750 rpm , enquanto o motor BlueHDi 120 S&S BVM6 debita 300 Nm.

O motor BlueHDi 100 S&S BVM regista, em circuito misto e na versão mais eficiente, consumos médios de 3,3 l/100 km com pneus do tipo UBRR e emissões de CO2 de 86 g/km. Quanto ao motor BlueHDi 120 S&S BVM6, o consumo misto é de 3,6l/100 km e as emissões de CO2 de 93g/km com pneus UBRR.

Antecipando-se às futuras normas, propõe, desde já, motores BlueHDi com uma linha de escape, constituída por:

- catalisador de oxidação implantado à saída do motor para eliminação dos hidrocarbonetos (HC) e do monóxido de carbono (CO) gerado pela combustão;
- módulo SCR (Selective Catalytic Reduction) posicionado a montante do filtro de partículas, para transformar, por injecção de Adblue®* (mistura de água e ureia) até 90% dos óxidos de azoto (NOx), em vapor de água (H2O) e azoto (N2), ambos inofensivos;
- filtro de partículas aditivado, introduzido em antestreia mundial em 2000 para o grupo PSA Peugeot Citroën, para eliminar até 99,9% do volume de partículas.

O líquido Adblue® está contido num reservatório de 17 litros, colocado na traseira do veículo, e assegura uma autonomia de 20 000 km. O seu enchimento faz-se pelo bocal do reservatório, acessível a partir da bagageira.

Design recebe nova assinatura luminosa

Não há grandes alterações, excepto na secção dianteira: novos projectores óticos mais afilados e percorridos a LED criam uma nova atmosfera luminosa.

Na traseira, as novas ópticas ganham efeito 3D, enquanto pormenores cromados nos pára-choques (frontal e traseiro e nos frisos dos vidros laterais) e novas jantes Miami, de liga leve com 17”, reforçam a imagem do C4.

A palete de 9 cores inclui duas novas: cinzento Galet e o cinzento Platinium.

Pode dispor de jantes até 18 polegadas.

Interior mais prático 

Um novo painel de bordo mais simples e moderno integra, consoante a versão, um ecrã táctil de 7 polegadas.


Os bancos ganham mais apoio e apresentam-se com dois novos estofos em tons sóbrios e elegantes, como a malha Rayados Mistral e o tecido de Libéria Gris. O banco do condutor pode integrar função de massagem e ajuste lombar eléctrico.


Pele tipo slush do painel de bordo (tecnologia de tratamento do material de modo a torná-lo mais macio ao toque), revestimento jersey do tejadilho e detalhes cromados nos comandos no volante, saídas de ventilação e alavanca das velocidades melhoram a aparência do habitáculo.

Grandes superfícies vidradas garantem boa visibilidade, incluindo o pára-brisas com ângulo de visibilidade, para cima, de 27°. Opcionalmente, o grande tejadilho panorâmico com 1,3 m², com cortina eléctrica, reforça a luminosidade.

Uma melhor absorção de ruídos é garantida por um novo pára-brisas acústico, que integra uma película de amortecimento, recurso a materiais absorventes no compartimento do motor e adopção de um conceito de selagem compreendendo uma barreira periférica sob a estrutura, uma barreira nas portas e uma barreira exterior


A habitabilidade e versatilidade não sofrem grandes alterações, até porque as dimensões exteriores do C4 mantêm-se inalteradas: 4,33 metros de comprimento, 1,79 metros de largura e 1,49 metros de altura.


Conservando a distância entre eixos de 2,61 m e um banco traseiro com 1,45 metros de espaço para cotovelos, a mala contém os mesmos 408 litros de capacidade.

Conexão a bordo

O serviço Citroën Connect Box abrange os serviços de chamada de emergência e apoio localizados (dependendo do país), dois serviços gratuitos e disponíveis 24 horas por dia, 7 dias por semana, graças a um cartão SIM integrado.

Fornece os dados do incidente ou acidente, nomeadamente a precisa localização da viatura para uma rápida intervenção.

Dois outros serviços estão ainda disponíveis na Internet: um manual virtual das operações de manutenção e um serviço Eco Driving. Os mesmos permitem alertas para um incidente mecânico ou de segurança, informações das assistências programadas a realizar, mas também de monitorização dos consumos de combustível e das emissões de CO2.

Novas tecnologias úteis

Além do novo ecrã táctil de 7 polegadas destinado a simplificar ao integrar um novo sistema de navegação, selecção áudio, comandos do telefone e parametrização das funções do veículo, a nova gama C4 contempla as seguintes novidades:

- Acesso e arranque em mãos-livres (ADML)

- Controlo de tracção inteligente (CTI) que facilita a motricidade em pisos de baixa aderência (neve, gelo, lama, etc.) ao detectar níveis de aderência em situações precárias que tornam difícil o arranque e a progressão do veículo

- Ajuda ao arranque em plano inclinado (Hill Assist) e travão de estacionamento eléctrico

- Faróis de nevoeiro à frente com iluminação estática de intersecção, que fornecem um feixe de luz adicional para dentro da curva

- Alerta de transposição involuntária da faixa de rodagem (AFIL) para combater a denominada hipovigilância, responsável por parte dos acidentes rodoviários. Quando detecta uma deriva, sem que o indicador de mudança de direcção seja activado, o condutor é alertado através de uma vibração no banco, por um de dois sistemas de vibração implantados no assento. O alarme é dado à esquerda ou à direita, em função da deriva

- Sistema de Monitorização do Ângulo Morto (SAM), que informa o condutor da presença de um veículo nas denominadas zonas de ângulo morto, através de um diôdo cor-de-laranja colocado no canto do retrovisor exterior correspondente.

1 comentário:

  1. Para quando um verdadeiro "novo" C4 ? Este, por muita tecnologia adicional que traga, não passa de um restyling. Quase o podemos colocar ao lado do modelo anterior e brincar aos "Descubra as diferenças".
    E é uma pena, pois a Citroen é uma marca de gosta de inovar no design, mas aqui não vejo nada disso.
    Tenho um C4 de 2006, e acho o carro muito mais arrojado do que este no que *a concepção diz respeito.

    ResponderEliminar