APRESENTAÇÃO: Hyundai i10 (MY 2014). Preços. Características.


- Plataforma totalmente nova, com uma maior distância entre eixos

- Novo motor a gasolina 1.0 TCI com 66 cv e binário máximo de 94 Nm

- Mais longo, mais largo e mais baixo do que seu antecessor. Mais espaço para as pernas dos ocupantes e uma bagageira maior: 252 litros

- Projectado, desenvolvido e construído na Turquia para consumidores europeus

- A gama irá também dispor de uma versão GPL.

Cinco anos após o seu antecessor ter sido colocado à venda (ler AQUI o ensaio ao modelo anterior), a nova geração do i10 melhora o espaço funcionalidade, acrescentando mais equipamento, linhas mais sofisticadas e um habitáculo mais refinado e melhor insonorizado.

A plataforma é inteiramente nova e tem não só maior distância entre eixos (5 mm), como um novo posicionamento dos amortecedores traseiros, de modo a garantir melhor controlo da suspensão sobre todos os tipos de pisos.

Com 3,665 metros de comprimento, 1,66 metros de largura e uma altura total de 1,5 metros, face ao seu antecessor, tem mais 8 cm no comprimento, 6,5 cm na largura e é 0,5 cm mais baixo.

Ainda assim, a habitabilidade não melhora significativamente (consultem-se mais abaixo os ganhos). Embora exista aumento do espaço disponível para as pernas, o destaque vai para o incremento da capacidade de carga: a capacidade da bagageira foi aumentada e passa a ter 252 litros com os bancos traseiros na posição vertical, ou até 1046 litros com o rebatimento total destes bancos.

Exteriormente conta agora com 11 vibrantes cores disponíveis nas versões sólida e metalizada/pérola.

Preços de todas as versões na fase de lançamento






Motores só a gasolina, mas há uma variante a GPL

A escolha passa a recair entre dois motores a gasolina equipados com caixa manual de cinco velocidades ou caixa automática de quatro velocidades.

O motor 1.0 litros de três cilindros possui uma potência de 66 cv e uma cilindrada de 998 cm3. A potência máxima é alcançada às 5500 rpm, 700 rpm mais cedo que no i10 anterior, enquanto o binário máximo de 94 Nm está disponível a partir das 3500 rpm.

Com este motor e transmissão manual a aceleração até aos 100 km/h é de 14,9 segundos para uma velocidade máxima de 155 km/h.

Esta motorização é igualmente utilizada para uma versão GPL instalada de fábrica. Nesta versão a sua potência máxima é de 67 cv às 6200 rpm, com 90 Nm de binário às 3500 rpm.

Já o motor Kappa de quatro cilindros com 1248 cc rende 87 cv às 6000 rpm e um binário máximo de 120 Nm às 4000 rpm. Quando acoplado à transmissão manual, este motor 1.25 pode acelerar dos 0 aos 100 km/h em 12,3 segundos e atingir uma velocidade máxima de 171 km/h.

Estes propulsores incorporam uma série de características técnicas avançadas que aumentam a potência e binário ao mesmo tempo que melhoram a suavidade.

Ambos possuem dupla árvore de cames à cabeça (DOHC), duplo comando de válvulas de variação contínua (CVVT), bloco em alumínio bastante robusto, cabeça dos cilindros em alumínio, bielas mais leves e uma corrente de distribuição sem necessidade de manutenção.

O motor 1.0 litros apresenta ainda uma série de características inovadoras para reduzir o atrito e a vibração, promovendo assim uma combustão mais completa e aumentando a durabilidade. Isso passou pelo deslocamento da biela em 11 mm, molas de válvulas cónicas de baixo atrito para redução do ruído, jacto de arrefecimento do pistão, válvulas e touches revestidas a carbono diamante (DLC) para maior durabilidade e pistões e segmentos de baixa tensão que são revestidos utilizando deposição física de vapor (PVD).

Uma quinta mudança na transmissão manual com relação mais longa (0,719:1 para os motores 1.25 litros e 0,774:1 para os modelos 1.0 litros) reduz as rotações dos motores em velocidades mais altas, aumentando o desempenho e reduzindo bastante o consumo de combustível.

Um indicador de mudança exibido no painel de instrumentos ajuda o condutor a alcançar a condução ideal, optimizando a eficiência nos consumos

A transmissão manual da Nova Geração i10 possui sincronizadores revestidos a fibra de carbono, garantindo durabilidade. A caixa de velocidades foi alvo de elevada atenção em termos de investimento e tempo, conseguindo o desenvolvimento de uma caixa mais precisa e eficiente.

Um modelo BlueDrive™ estará igualmente disponível na versão 1.0 litros a gasolina e inclui várias características que visam reduzir o consumo de combustível. Este modelo, com apenas quatro lugares, incorpora o sistema ISG, jantes de 13 polegadas que minimizam a resistência ao rolamento e ar condicionado automático (só quando instalado).

Como resultado, o modelo atinge emissões de CO2 de 98 g/km e consumo de combustível combinado de 4,3 l/100 km.

Todos os dados e características estão no final deste texto.

Dados e características interiores

Com um interior bastante mais bonito, moderno e construído com recurso a melhores materiais, a nova geração i10 passa a contar com uma ampla variedade de acabamentos dos bancos, como nunca anteriormente visto.

Os modelos base vêm com uma combinação em tecido e vinil bege e preto.

As restantes versões possuem duas opções disponíveis, tecido azul ou laranja com o rebordo do banco em preto. As versões Style oferecem ainda a opção de bancos com tecido em tons de vermelho com o rebordo em pele artificial preta.

O ligeíríssimo aumento da distância entre eixos (5 mm sendo um total de 2385 mm) não é a razão principal de alguns ganhos na habitabilidade. O aumento de espaço deveu-se também ao deslocamento da caixa de velocidades cerca de 25 mm para a frente.

Em concreto, os ocupantes dos bancos dianteiros podem desfrutar de mais 4 cm de espaço para as pernas (um total de 1070 mm), bem como 1,6 cm adicionais de espaço para os ombros (total de 1306 mm) e de pouco mais de 1 cm a mais em altura interior.

Existem diversos espaços para pequenos objectos (em todas as portas é possível colocar uma garrafa de grande capacidade, 1 litro nas portas dianteiras e 0,6 litros nas portas traseiras, mais suportes de bebidas imediatamente atrás da alavanca de velocidades), duas tomadas de 12 volts, uma entrada AUX e um dispositivo USB.

O pormenor de design que mais se destaca no interior desta nova geração i10 é a cor do friso que percorre toda a largura do painel de instrumentos. Disponível em quatro cores – Vermelho (nas versões mais equipadas), “Calming Blue”, “Vibrant Orange” e “Refined Beige“ (exclusivo das viaturas entrada de gama) – cor igualmente disponível para a consola da alavanca de velocidades e secções inferiores das portas dianteiras.

A par da maior firmeza da infra-estrutura, maiores apoios hidráulicos para o motor, uma camada tripla de material insonorizante no painel de instrumentos e nas portas contribuem para uma melhor insonorização do habitáculo. Outras duas medidas para reduzir o barulho do vento são o refinamento cuidadoso do formato dos suportes dos espelhos retrovisores e a colocação da antena rádio na retaguarda do tejadilho.


Equipamento de série do segmento superior

Com níveis de conforto e de equipamentos normalmente encontrados em segmentos superiores, este novo i10 irá contar com controlo de estabilidade e airbags de cortina dianteiros de série.

Os equipamentos mais luxuosos presentes na nova geração incluem cruise control com limitador de velocidade ajustável, controlo de assistência em pisos inclinados, luzes de circulação diurna em LED, volante em pele e bancos da frente aquecidos, chave inteligente com botão start/stop bem como ar condicionado automático, estando disponíveis de série ou em opção, nas versões mais equipadas.

Os modelos com níveis de equipamento intermédios incluem recursos que os consumidores valorizam bastante como vidros dianteiros e traseiros eléctricos, fecho central de portas com comando à distância e assento do condutor ajustável em altura.

Mesmo os modelos base apresentam um padrão generoso de equipamento, incluindo fecho centralizado de portas, computador de bordo, luzes de presença diurnas e um conjunto completo de equipamentos de segurança activa e passiva.

Na segurança activa é possível contar com a ajuda do programa electrónico de estabilidade (ESP) e gestão de estabilidade do veículo (VSM) que equipam de série, pela primeira vez, todas as versões, assim como o sistema de monitorização da pressão dos pneus.

Os equipamentos de segurança passiva de série incluem seis airbags - dois frontais, dois laterais e dois de cortina ao longo do comprimento interior total, oferecendo uma excelente protecção para todos os ocupantes em caso de colisão. Aviso sonoro de colocação do cinto de segurança para todos os passageiros e fecho central automático das portas são igualmente equipamentos standard.

Por fim, entre outras alterações mecânicas capazes de melhorar o conforto e aumentar o prazer de condução, há que contar com mudanças de geometria nos componentes da suspensão e nos braços da direcção, bem como a introdução de molas laterais para dispersar a carga. Foi também desenvolvido um novo sistema de direcção assistida electricamente que necessita de 2,9 voltas de topo a topo, com um diâmetro de viragem em círculo de 9,72 metros.

Produzido na fábrica da Hyundai, em Izmit, na Turquia, a capacidade anual desta unidade que também produz o Hyundai i20 é de 200.000 veículos. A partir de agora, 90 por cento dos automóveis Hyundai vendidos na Europa são produzidos na região.



2 comentários:

  1. muito lindo quando chega em Angola eu quero comprar.

    ResponderEliminar