Header Ads

Automóveis com História

10 gerações Opel: da Kadett Caravan à Astra Sports Tourer


Em 1963 e 2015, a gama de familiares médios da Opel foi composta pelo Opel Kadett (de A a F) e, de 1992 a 2015, pelos modelos Astra G a K.

Estas são as imagens e as características principais de 10 gerações de uma das carrinhas mais amadas pelos portugueses e procurada pelos europeus.(CONTINUA) 

CITRÖEN MÉHARI: Simples e despretensioso


Nasceu num período muito especial da história europeia do século passado: Maio de 68. Tempos de contestação, do “é proibido proibir”, do poder popular, das liberdades de corpo e de espírito.

Foi nesse tempo tão conturbado de desconstrução de paradigmas que surgiu um dos carros-símbolo da simplicidade e do despretensionismo, um modelo utilitário e multifacetado que se lava com um jacto de água, graças à sua carroçaria integralmente feita em plástico ABS. (CONTINUA)

VOLVO 240 (242, 244, 260, 262, 265): Padrão de segurança



Chegou aos mercados em Agosto de 1974. Criticado pela sua aparência insípida e quadrada, acabaria por se tornar na série da Volvo mais vendida de sempre, com cerca de 2,9 milhões de carros produzidos durante 19 anos, até Maio de 1993.

Durante a sua vida definiu o padrão internacional de segurança e do meio ambiente, ganhou o Campeonato Europeu de Carros de Turismo e acabaria por alcançar o estatuto de carro de culto. (CONTINUA)

OPEL KADETT: Uma viagem até ao Astra


Corria o ano de 36 do século passado, quando a alemã Opel apresentou o primeiro Kadett, respondendo ao desejo nazi para que a Alemanha dispusesse de um veículo prático, familiar e com preço acessível a todos os cidadãos do III Reich.

Tornar-se-ia pioneiro no segmento dos automóveis compactos e uma das gamas mais populares a nível europeu. (CONTINUA)

FORD T: Mais do que um carro, um nome!


Ford T, o "carro" do século XX. Mais de 15 milhões de unidades produzidas, sendo porém incerto o valor total já que, após ter deixado de ser fabricado nos EUA, continuou a ser montado um pouco por esse mundo fora…

Esta é a história de um carro que poderia ser vendido em qualquer cor, desde que fosse preto!… (CONTINUA)

MINI: Os carros não se medem aos palmos!


Estávamos em 1957. Nos planos constava o propósito de conceber um automóvel de dois volumes, com não mais de três metros de comprimento e capacidade para quatro adultos e ainda alguma carga.

Como consegui-lo? (CONTINUA)

Renault Alpine A110 "Berlinette"


A aventura começa numa pequena empresa francesa, a “Alpine”, um fabricante de carros desportivos e de corrida equipados com motor Renault. Mas o estrondoso sucesso do A110 nas pistas de terra ou neve acabaria por levar a Renault a absorver o pequeno transformado.

Saiba mais sobre o original 110, o carismático “Berlinette” que venceria o primeiro Mundial de Ralis em 1973. (CONTINUA)

RENAULT 4, um MPV dos anos 60



COM A «QUATRELLE», nome pela qual tornou popularmente conhecida, a Renault tinha não só como objectivo criar um veículo polivalente e barato, logo popular, mas, não menos importante, concorrer com o rival Citroën 2CV. 

Viatura polivalente, de uma fiabilidade incrível em grande parte por causa de uma mecânica muito simples, há quem a designe tão só por "jipe dos pobres"... (CONTINUA)

Fábrica de Hannover restaura VW “Pão de Forma”


Devem à sua forma tão peculiar não só o nome por que são popularmente conhecidos em Portugal. 

Hoje, os Volkswagen “Pão de Forma” são objectos de culto e podem ser restauradas na casa onde “nasceu”.

Com certificado de autenticidade e tudo! Conheça a seguir um pouco da história deste modelo e descubra algumas imagens da época. (CONTINUA

VW e FERDINAND PORSCHE: Um homem e o seu sonho


Para saber a história daquele que é o mais emblemático modelo da marca alemã, bem como um dos mais populares e mais produzidos de sempre, é preciso conhecer o seu criador, um dos maiores génios da indústria automóvel: Ferdinand Porsche.

Percursos que estão intimamente ligados a um dos períodos mais vergonhosos da História Mundial... (CONTINUA)

CITROËN DS: O sapo que virou príncipe


Disse um dia um vendedor de uma marca concorrente, meio a sério, meio a brincar, que a Citroën se tinha tornado na «marca branca» da Peugeot...

Mas como pode um construtor que criou um carro tão popular quanto o 2CV ou um tão avançado para o seu tempo quanto o DS ser olhada dessa maneira? (CONTINUA)

FIAT 127: O primeiro utilitário europeu e o Fiat mais produzido até ao UNO


Entre o final dos anos 60 do século XX, início da década de 70, o mercado automóvel mundial começou a sentir os efeitos da aposta da indústria nipónica em pequenos modelos mais modernos, mais fiáveis e eficientes, mas também de manutenção mais económica e preço competitivo.

Foi então que os maiores construtores europeus sentiram necessidade de responder com forfmatos mais modernos e funcionais. Exemplo disso é o Fiat 127. (CONTINUA)



TRÊS CARROS dominaram o panorama do Mundial dos Ralis nos anos 80: Audi Quattro, Lancia 037 ou Delta S4 e Peugeot 205 T16.

Outros houve como o MG Metro 6R4, o Renault R5 Turbo ou o Ford RS 200, mas coube aos primeiros o papel de destaque na conquista de títulos mundiais de pilotos e marcas.

Para o melhor e para o pior os acidentes mortais com estas máquinas levaram a que fossem banidas das estradas. Mas todos marcaram uma época de ouro nas competições automóveis e representam o expoente máximo da categoria. (CONTINUA)

A MG nasceu do mesmo modo que tantas outras marcas, recorrendo à plataforma e elementos mecânicos de outro construtor. 

Cecil Kimber, apontado como o seu criador, alto responsável das «Morris Garages» - uma distribuidora dos carros da marca Morris em Oxford, Inglaterra -, e grande entusiasta de modelos desportivos, acreditou na existência de um mercado para este segmento. (CONTINUA)