Header Ads

ENSAIO: Hyundai i20 1.6 CRDi iS

Primeiro factor a destacar: o preço. Vinte mil euros para um carro com motor 1.6 e 128 cv de potência não é fácil encontrar... novo! Mas há mais... Tem a aparência fresca e jovial de um pequeno desportivo de três portas: subtis apêndices dinâmicos na carroçaria, jantes em liga de 16 polegadas e uma ou duas saídas do escape em tom prateado. Interiormente segue linha idêntica: pedais desportivos e estofos com (diria algo exagerada) predominância da cor vermelha. Tudo uma questão de gosto.

Realmente boa é a dotação de equipamento de série face ao preço. Tal como os mais bem equipados da restante gama i20, este “iS” recebe os airbags frontais possíveis, ABS e controlo de estabilidade, ar condicionado, um fantástico sistema de som com entradas auxiliares USB e iPod e comandos no volante, as tais jantes em liga e as aplicações desportivas, os vidros eléctricos e ainda fecho centralizado de portas com comando, entre outros itens.

Motor contido

O motor mais potente que motivou esta versão especial destaca-se principalmente pelos consumos. Mas a média anunciada de 4,4 litros só em parte é conseguida devido ao escalonamento demasiado longo da caixa de velocidades. E isso acaba por se reflectir sobre as prestações.
O Hyundai i20 IS tem, por causa disso mas também em grande medida por culpa de uns pneus pouco desportivos, um comportamento dinâmico algo aquém do que a imagem exterior sugere. Gostei particularmente da precisão da caixa de velocidades, aparte a questão das relações, e apreciei também a posição de condução, confortável, ergonómica e com boa visibilidade.

Garantia de qualidade

É reconfortante saber que a gama i20 já deu provas de robustez e fiabilidade. Quanto ao interior, com uma qualidade que não destoa do segmento, revela-se suficientemente prático. Vários pequenos espaços ao dispor dos ocupantes compensam uma bagageira cuja capacidade fica aquém dos 300 litros.
Com 3 portas e uma habitabilidade traseira mais indicada para dois adultos, esta versão em particular surge mais apropriada para quem procura uma solução simultaneamente expedita e económica. A vários níveis: no preço, nos consumos, pela manutenção a cada 30 mil quilómetros e, “last but not least” pela qualidade do produto, garantido pelo fabricante durante 5 anos sem limite de quilómetros.
Análise mais completas ao modelo nas versões 1.2 a gasolina e 1.4 a gasóleo podem ser encontradas neste site, utilizando os instrumentos de pesquisa que se encontram em cima e à direita da página

PREÇO, desde 20000 euros MOTOR, 1582 cc, 128 cv às 4000 rpm, 16 V., 280 Nm entre as 1900 e as 2750 rpm, common rail com turbo de geometria variável (VGT) CONSUMOS, 5,5/3,8/4,4 l (cidade/estrada/misto) EMISSÕES CO2, 117 g/km

2 comentários:

  1. Um carro fantástico. Tenho um mas mudei-lhe os bancos

    ResponderEliminar
  2. Foi certamente uma excelente escolha. Partilhe connosco a sua opinião sobre o carro.

    ResponderEliminar