Header Ads

ENSAIO: Audi A3 Sportback 2.0 TDI/184 cv "S Line"

Será que vale cada euro que custa? Porque o preço base desta versão, com este motor e este nível de equipamento, é de 41.554 euros. Bastante mais do que o 1.6 TDI de 105 cv, que custa “apenas” 33055 euros também na linha "S Line". Por isso se levanta a questão, cuja resposta é mais difícil de dar num País onde o preço de um automóvel é também muito inflacionado pela cilindrada. Sabendo ainda que, com este mesmo motor mas numa variante de “apenas” 150 cv, o seu custo desce cerca de 3500 euros (face ao A3 de 184 cv), ou que qualquer destas versões pode custar muito menos, bastante menos, se não tiver associado o lote de características que fazem valer a designação “S Line”Por isso, interesse começar por perceber o que significa “ser” S Line.

Não sendo o topo do carácter desportivo do A3 – vamos deixar essa “honra” para o S3 – a linha “S Line” (“S” de “Sport”, está bem de ver, mas também poderia ser de “Special”) é uma versão especialmente desportiva do A3 Sportback. E, desde os detalhes exteriores que lhe conferem uma identidade mais agressiva ao equipamento interior, passando por um conjunto de alterações mecânicas que visam melhorar o seu comportamento dinâmico e aerodinâmico, tudo concorre nesse mesmo sentido.
Quem opta por um Audi A3 Sportback “S line” está a escolher um veículo desportivo bem identificado pela presença do logótipo "S line" nos guarda-lamas, mas que se distingue também através de pára-choques específicos com proeminentes entradas de ar laterais, grelha do radiador em preto, saídas de escape cromadas e jantes em alumínio fundido com pneus 225/40R18. O interior, obedecendo à mesma lógica, combina bancos dianteiros e volante desportivos, ambos com o logótipo S line embutido. Molduras decorativas e inserções em alumínio escovado encarregam-se do necessário efeito de contraste.

Interior de bom gosto e qualidade inquestionável

A sensação de qualidade interior é evidente, com bons acabamentos e uso de materiais de excelente qualidade. Todas as partes transmitem uma sensação de solidez e encaixam-se perfeitamente.
Maior do que o seu antecessor, o modelo actual tem a vantagem evidente de uma maior distância entre eixos. Além de bem isolado acusticamente e de beneficiar de mais espaço no banco traseiro, o novo A3 Sportback viu a bagageira crescer para 380 litros, 10 litros a mais que o modelo anterior e 15 litros a mais do que o A3 de 3 portas (ver AQUI o texto de apresentação do modelo). Não é mais ampla da categoria, mas o modelo ensaiado tem a vantagem de trazer pneu suplente. Curiosa é a forma de fixação da tampa do piso pela qual se acede à zona inferior da mala: depois de erguida, ela pode ficar apoiada nos dois pequenos spots de iluminação laterais.
Nesta versão, o tablier é dominado por uma tablet retráctil electricamente, que congrega um conjunto de visualizações áudio e de navegação, capaz também de fornecer conectividade com o mundo exterior através do conceito “Audi connect”.

“Escrever” uma função ou uma mensagem com o dedo

A unidade testada estava equipada com o sistema "MMI de navegação plus", com comandos de controlo localizado entre os bancos atrás do manípulo da caixa de velocidades.
Além das funções habituais e de acrescentar o sistema Audi Connect, algumas das suas funções podem ser activadas por voz. Um pormenor inédito é a faculdade de podermos "escrever" com o dedo sobre um painel táctil as letras ou os dígitos necessários para navegar, digitar uma mensagem ou um número de telefone, por exemplo.
Porque a quantidade de informações fornecidas pelo sistema é abundante, tudo isto requer um processo de aprendizagem prévio, de modo a se poder tirar o máximo proveito de todos os recursos que são disponibilizados.
As vantagens do conceito “Audi Connect” é a faculdade de poder “transportar” o escritório para o interior do automóvel. Além das funções de comunicação e entretenimento, este sistema aumenta o conjunto de informações disponíveis através da busca online de um conjunto de serviços. Isso é possível através da conectividade directa (com uso de um cartão SIM, para o efeito existe uma entrada específica), pela ligação por bluetooth a um telefone ou até através de um Hotspot Wi-Fi. Conectado à internet, o vasto leque de funcionalidades inclui acesso ao email, às redes sociais, a serviços noticiosos ou de meteorologia, informações de trânsito, de transportes, de parques de estacionamento, etc., etc....

Desempenho desportivo com economia de consumos

Apesar de maior, a nova geração Audi A3 é mais leve. Isso vem reforçar a sua eficiência energética, com vantagens naturais para as prestações dinâmicas de todas as versões.
No campo ambiental, para ajudar à redução de consumos e emissões, além de contar com o sistema start/stop e de recuperação de energia em fases de travagem e/ou desaceleração, o A3 testado vem equipado, de série, com o sistema "Audi drive select". Quando activado, a partir de um botão colocado na consola central, este comanda o veículo de forma particularmente eficiente e apoia o condutor nessa prática. Mais activo em modelos dotados de caixa automática S tronic, com a transmissão manual, o sistema actua sobre outros parâmetros como o ar condicionado. A par disso e da sugestão da troca de velocidade, o computador fornece ainda dados e conselhos para incrementar uma conduta mais económica.
Graças a tudo isto o valor homologado de emissões é baixo para a potência total do conjunto. 
A maior dificuldade reside em tentar incrementar uma condução eficiente num modelo tão desportivo. Sem ser demasiado “explosiva”, a mecânica é mesmo assim convicta e bem apoiada pelo trabalho preciso das quatro primeiras relações da caixa de velocidades, com as duas restantes dando mostras de privilegiarem a poupança.
Contributo do bom desempenho do conjunto, a nova plataforma modular da VW (que também serve os novos Golf e o Seat Leon) recebe uma suspensão desportiva constituída por molas e amortecedores mais firmes e suspensão rebaixada. Ao incitar uma condução mais dinâmica, logo menos comedida em consumos, ao longo do ensaio, estes variaram entre uns modestos 4,5 litros (num andamento tranquilo em estrada), a uns menos simpáticos 7,0 litros na combinação entre uma conduta mais rápida com maior circulação urbana.


Dados mais importantes
Preços desde
Desde 41.554 euros (S Line)
Motores

1968 cc, 16 V, 184 CV das 3500/4000 rpm, 380 Nm das 380 das 1750 às 3250 rpm, injecção directa common-rail, turbo-compressor e sistema de refrigeração
Prestações
234 km/h, 7,4 seg. (0/100 km/h)
Consumos (médio/estrada/cidade)

4,2 / 3,7 / 5,2 litros
Emissões Poluentes (CO2)
110 gr/km

Textos relacionados:

-->

Sem comentários