Vai comprar um carro usado? Há riscos, mas também há vantagens

Comprar um carro usado, seminovo ou já com alguns anos, pode oferecer a mesma segurança que comprar um carro novo. Como evitar alguns riscos, desfazer alguns receios e beneficiar das vantagens?

Uma vez que a maior desvalorização de um automóvel acontece nos primeiros anos, adquirir um carro usado pode ser melhor negócio do que comprar um carro novo. 

Porém, a escassez atual de carros novos no mercado, por razões que derivam da pandemia, tem contribuído para a inflação de preço dos veículos usados; por outro lado, o preço dos carros novos está também mais elevado e existe menos flexibilidade negocial. 

Isto quer dizer que, quando o mercado e os preços estabilizarem, é natural que a desvalorização de um carro, novo ou usado, possa voltar a crescer.

Porém, face à atual falta de matéria-prima e aumento do preço da energia e dos componentes automóveis, o mais natural é isso só venha a acontecer daqui a dois ou três anos. 

Embora também exista alguma escassez no mercado de carros usados, uma vantagem é que os que se encontram à venda estão geralmente disponíveis no imediato. 

Algum atraso poderá haver com alguns carros usados importados, sujeitos a emissão de matrícula portuguesa, de acordo com queixas de alguns vendedores automóveis. 

Outra vantagem de adquirir um carro usado é poder beneficiar de alguma negociação. 

Mas não se admire se a disponibilidade para adquirir um carro a pronto pagamento não beneficiar o preço; por vezes, a comissão que o vendedor recebe, da entidade que vai garantir o crédito, é superior à margem comercial do negócio. 

O maior receio de quem compra um carro usado reside no risco do carro apresentar anomalias não visíveis ou não declaradas, às quais o vendedor possa tentar furtar-se de garantir a reparação. 

Por lei, um stand de venda de automóveis ou um vendedor profissional de viaturas usadas é obrigado a oferecer um período mínimo de garantia de 18 meses. 

Este prazo, alterado em 1 de Janeiro de 2022, pode estender-se a três anos nos veículos recondicionados, como acontece nos automóveis novos (DL n.º 84/2008, de 21 de Maio). 

Com excepção de alguns veículos que possam ainda beneficiar da garantia do fabricante, há operadores independentes, incluindo algumas gestoras de frota, que vendem garantias automóveis. 

Quer esta seja suportado pelo vendedor do automóvel usado ou pelo comprador (dependendo da idade do veículo, há operadores que prestam o mesmo serviço de garantia automóvel para particulares; pesquise na internet por “garantias automóveis"), recomenda-se a leitura atenta do documento de garantia e do contrato de compra/venda do veículo, nomeadamente quanto ao âmbito das coberturas e das exigências de manutenção periódica da viatura. 

Um vendedor particular não está obrigado a garantir o bem imóvel.

Mesmo assim, quer a compra do usado seja feita a um profissional ou a um particular, é fundamental testar o carro antes de o adquirir. 

Não se deixe deslumbrar pelas formas, cor, preço ou equipamento e conduza o carro quilómetros suficientes para avaliá-lo pessoalmente. 

Se tiver dúvidas sobre o estado mecânico da viatura ficam duas sugestões:

  • Solicita a certificação do estado do carro usado por uma entidade independente, documentando a qualidade estrutural, mecânica e de conservação
  • Solicita que a viatura seja levada, na sua presença, a uma verificação realizada num centro de Inspeção Automóvel Obrigatória (IPO).
Mediante pagamento, estes centros podem verificar o estado de uso e segurança dos principais órgãos  e sistemas do automóvel, nomeadamente:
  • Suspensão
  • Direção
  • Sistema de travagem
  • Sistema de tratamento e emissão de gases
  • Sistema de iluminação
São ainda uma garantia de que os documentos da viatura se encontram em conformidade e permitem certificar a quilometragem da viatura na última inspeção periódica obrigatória que o carro realizou. 

Sem comentários