Renting: outra forma de ter carro


Comprar um automóvel é uma decisão que deve exigir alguma racionalidade.

Sobretudo em tempos de alguma incerteza no que respeita ao tipo de carro e de motor.

Vale a pena comprar já um carro elétrico? Será que consigo comprar aquele SUV que gosto tanto? Devo escolher com motor a gasolina ou a gasóleo?...

Quanto vai valer o carro que escolher daqui a uns anos como usado?

Afinal quem não se lembra da afirmação de Matos Fernandes, Ministro do Ambiente, em 2019: “muito provavelmente, daqui a quatro ou cinco anos, quem tiver um carro a diesel vai ter um valor mais baixo na sua troca”? 

E, mesmos assim, quantas vezes gostamos de um determinado modelo ou marca e não sabemos explicar os motivos…

Pois bem: há uma solução que permite utilizar um carro como se fosse nosso, sem necessidade de o comprar e sem a preocupação de ter de o vender quando já não o queremos.

Por uma renda mensal, só temos de decidir qual o carro que queremos, durante quanto tempo e durante quantos quilómetros pretendemos utilizá-lo.

Por isso, se tem dúvidas sobre que automóvel deve escolher, ou encara a compra como um investimento elevado que não quer ou não pode fazer, então porque não alugar simplesmente a viatura?

Tem menos risco, menos obrigações financeiras em comparação com o recurso ao crédito automóvel e, além disso, já com todos os serviços incluídos: manutenção periódica, seguros, pneus, impostos, assistência em viagem, viatura de substituição…

Ou seja, só tem de se preocupar com o combustível e com as portagens e, claro, com os cuidados normais de conservação do carro; no fundo, o que faria se tivesse adquirido o carro.

É isto que o Renting lhe propõe.

Nesta modalidade, o condutor só tem que definir o tempo e os quilómetros em que pretende usufruir do automóvel, já que estes dois fatores são essenciais para calcular o valor do carro no final do período contratado e o custo dos serviços incluídos na renda.

Além da vantagem de poder usufruir do carro que desejamos sem necessidade de despender um montante tão avultado quanto o custo total do carro, a flexibilidade que é uma das características do renting permite um pagamento inicial mais avultado para fazer reduzir o valor da mensalidade.

Esta mensalidade, recorde-se, corresponde ao valor do aluguer mensal do automóvel e inclui uma parte do pagamento dos serviços acima mencionados.

Por exemplo, uma renda mensal de 400 euros significa um custo diário de pouco mais de 13 euros, com todos os serviços incluídos, menos o combustível.

O que acontece quando o contrato termina, ou seja, quando acaba o período contratado para utilizar o automóvel?

Se o cliente desejar manter o automóvel durante mais um período de tempo, e chegar a acordo com a gestora que fornece o renting automóvel, pode renegociar os tempos do contrato e executar um prolongamento do renting.

Pode também ficar com o carro, mediante pagamento do valor pedido pela gestora de frota.

Mas se quiser simplesmente terminar o contrato de renting e devolver a viatura, pode fazê-lo sem qualquer custo, desde que tenha cumprido a quilometragem contratada e a viatura apresente apenas sinais normais de desgaste. 

Como é responsável pelo seu uso, todos os danos internos e externos da viatura terão de ser reparados, sendo esse custo imputado ao signatário do contrato.

Para não ter surpresas no final, deve ler com atenção todas as cláusulas do documento e respeitá-las.

E se desejar ter uma experiência mais tranquila, opte por contratar um seguro de recondicionamento que cobre os danos até um montante definido. 

LEIA TAMBÉM:




Sem comentários