Header Ads

ENSAIO: Mazda3 1.5 SKYACTIV-G (100 cv)

A Portugal chega, para já, apenas a versão de cinco portas a gasolina, animada por um novo motor 1.5 com 100 cv. O diesel 2.2 não é comercializado por razões de preço, já que a fiscalidade nacional castiga bastante a cilindrada. Aguarda-se o bloco SKYACTIV-D 1.5, a gasóleo, ultra-eficiente e com emissões de CO2 abaixo dos 90 g/km, que foi apresentado em Março de 2014, no Salão de Genebra. Esguio, elegante, com um desempenho suave e comportamento bastante familiar, o novo 3 continua a não ser referência em termos de habitabilidade, mantendo, no entanto, uma estrutura sólida, que nesta geração é reforçada de mais equipamento e de novas ajudas à condução.

Uma das marcas que mais cresceu em 2013, apesar do contexto global de crise, foi a Mazda. Parte desse sucesso deve-se aos novos Mazda6 e CX-5 e a uma nova política de motores, mais eficientes. Na senda desse sucesso surge um novo Mazda3, modelo importante porque se insere num segmento significativo em termos de vendas europeias.
Francamente bonito e elegante, uma espécie de Mazda6 mais compacto, para tornar o novo Mazda3 competitivo no mercado português, é proposto a partir de 18200 euros. Por este valor, ao nível do de alguns utilitários, este familiar moderno e de qualidade vem equipado com um evoluído motor a gasolina de 1496 cc com 100 cv e binário máximo de 150 Nm às 4000 rpm.
Mais dados técnicos sobre motor e equipamento constam do respectivo TEXTO DE APRESENTAÇÃO.

Binómio motor/caixa

Uma inovadora arquitectura de motor, que aposta numa elevada taxa de compressão e num engenhoso sistema de circulação e aproveitamento dos gases de escape, permite ao conjunto uma boa combinação entre potência, binário e economia de combustível.
Na prática, se este Mazda3 1.5 consegue ser um carro ágil em curva, mais pelo mérito de um chassis leve, rolante e bastante eficaz, o motor e a caixa não contribuem propriamente para que seja um carro rápido. Conduz-se bem em cidade e mostra estabilidade em estrada, mas não se esperem arranques enérgicos ou recuperações fulgurantes. O que realmente impera é a necessidade de controlar consumos, com um sistema start/stop muito activo e uma caixa de 6 velocidades, de relações longas, muito desmultiplicadas. Até o indicador de mudança de velocidade coopera na poupança, sugerindo mudanças mais elevadas antes do tempo.
O resultado de tudo isto, ao longo do ensaio, foi um consumo médio que oscilou entre pouco mais de 6 litros e os 7 litros, consoante a dinâmica imprimida. Nada surpreendente.

Do design à tecnologia

Face à geração anterior, a actual aumentou as dimensões em todas as direcções. Excepto na altura. A silhueta mais esguia melhorou a fluidez da passagem do vento, contribuindo, dessa forma, para a redução dos consumos. Uma enorme "boca", leia-se grelha dianteira impõe-lhe personalidade e contém elementos que melhoram a dinâmica e intensificam a aderência.
Com tudo isto reforçou-se a precisão em curva e a estabilidade em velocidades mais elevadas.
No habitáculo a esperada solidez, cuidado nos acabamentos e no critério de escolha dos materiais.
A posição de condução é confortável e funcional, beneficiando dos vários ajustes do banco e do volante. Aos olhos do condutor, no completamente redesenhado painel de instrumentos do novo Mazda3, encontra-se um velocímetro analógico com conta-rotações digital integrado, ladeado por dois monitores digitais que apresentam as informações da temperatura, nível de combustível, informações sobre a caixa de velocidade e os contadores totais e parciais das distâncias.
Em Portugal não está disponível o “Active Driving Display”, que projecta as principais informações da condução numa pequena tela laminada atrás do volante, à altura do olhar.

Habitabilidade mediana

A forma do banco traseiro contribui para o transporte mais cómodo de 3 passageiros, contudo, em largura, é mais confortável para dois.
Existem duas fixações Isofix para cadeiras de criança.
Ainda no que toca ao espaço traseiro, o rebatimento assimétrico dos encostos deste banco é operado a partir de botões situados nas zonas superiores/laterais destes encostos, acessíveis a partir do habitáculo ou facilmente também através da zona da mala.
Quando aberta a porta traseira, o acesso à bagageira fica a cerca de 70 cm do solo. Ao rebater totalmente os encostos do banco traseiro, um piso plano estende-se até quase 1,60 cm de profundidade. Nesse caso, a capacidade da mala cresce de 364 litros para 1.263 litros. Não existe pneu suplente.

Interior tecnológico

Além de novas formas, o interior da actual geração Mazda3 revela equipamento novo, com funcionalidades inéditas, vários sistemas de segurança, de série ou como opção, ajudas à condução e, no topo da consola central, um novo centro de entretenimento e comunicações que varia consoante o nível de equipamento.
No caso do ecrã táctil 7" a cores ele está disponível apenas na versão Evolve, a mais elevada e uma das duas disponíveis.
Com controlo por toque, através de comandos vocais ou por comando rotativo entre os bancos, o seu manuseamento é bastante intuitivo e directo. Através dele é possível operar o sistema de navegação, efectuar a leitura de um e-mail ou ler e actualizar o Facebook ou o Twitter, por exemplo. Além da habitual função de atendimento telefónico, pode ainda "ler" em alta voz mensagens SMS, além de as enviar e pesquisar e transmitir músicas a partir do smartphone. E até mesmo aceder à lista de endereços através dos comandos por voz.

Equipamento de série

O equipamento de série da versão-base Essence é já muito completo e inclui, entre outros, ar condicionado manual, faróis de halogénio, tecnologia i-stop, computador de bordo, vidros eléctricos dianteiros e traseiros, Mazda Sound System com quatro colunas, entrada USB e controlos áudio no volante, controlo remoto das portas (sem chave) e botão de arranque/paragem, airbags dianteiros, laterais e em cortina dianteiros e traseiros, sistema de monitorização da pressão dos pneus, ESS, controlo dinâmico de estabilidade (DSC) com sistema de ontrolo de tracção (TCS), sistema de travagem antibloqueio (ABS) com distribuição electrónica da força de travagem (EBD) e assistência à travagem de emergência (EBA), assistente ao arranque em subida (Hill Hold Assist) e kit de reparação de pneus.

Dados mais importantes
Preço
18.200 (*) euros
Motor
1496 cc, 4 cilindros, 16 V, 100 cv às 6000 rpm, 150 Nm às 4000 rpm, injecção indirecta 
Prestações
182 km/h, 10,8 seg. (0/100 km/h)
Consumos (médio – estrada - cidade)
5,1 / 4,3 / 6,5 litros
Emissões Poluentes (CO2)
119 gr/km
(*) EXCLUINDO despesas de legalização, transporte, preparação e pintura metalizada.


-->

Sem comentários