Header Ads

ENSAIO: Volvo S60 2.0 D4 R-Design (MY 2013)

A marca sueca renovou uma das suas gamas mais jovens, dotando-a de uma frente mais expressiva, de um interior melhorado com mais e melhor equipamento e afinando o chassis para novas e melhores sensações. Pode parecer pouco, mas as alterações produzidas na nova imagem dianteira da série 60 resultaram em cheio, com o modelo a ganhar novo elã e maior dinamismo. A par das alterações estéticas e dos melhoramentos realizados na eficiência de alguns motores, no interior destaca-se a inclusão do mesmo painel de bordo digital adaptativo estreado no V40. Ensaiado numa das linhas de equipamento mais bonitas e desportivas, o S60 R-Design deixou saudades.

O novo capot esconde os limpa pára-brisas e aumenta-lhe a fluidez, mas são os novos faróis, que a marca diz inspirados nos olhos de um lobo, as luzes de circulação diurna na linha do pára-choques, a grelha maior e mais escura que revelam o redobrado sinal de confiança e de afirmação da Volvo, cujo símbolo, para vincar ainda mais esse facto, surge agora maior e de forma ainda mais evidente.
Atrás a distinção é feita através de novos conjuntos de iluminação LED, tanto no carro como na carrinha.
Com superfícies limpas e contornos extraordinariamente fluídos (e felizes), a série 60 ganha redobrado alento quando envolta no equipamento exterior que “decora” o nível “R-Design”.
Torna-se mais fácil concentrar em si todos os olhares, principalmente por causa da frente exclusiva, das ponteiras de escape duplas, do difusor traseiro e, sobretudo, das belíssimas jantes de 18 polegadas que montam pneus 235/40. Com um perfil realmente baixo, pode ainda dispor, em opção, jantes de 19 polegadas.

Alterar o painel de bordo consoante a vontade

É no interior que encontramos duas novidades capazes de fazerem as delícias dos amantes das novas tecnologias: um novo sistema de conectividade que a que a marca chamou “Sensus Connected Touch” e o Display Digital Adaptativo.
Conservando a linha base do tablier e todas as suas restantes funcionalidades, além bancos mais confortáveis e com melhor apoio, o novo painel de instrumentos digital e configurável estreado no Volvo V40 passa agora a estar também disponível no S60, V60 e XC60. A partir de um simples botão, o condutor passa a poder escolher entre três temas gráficos: “Elegance”, o modo “base”, com uma aura tradicional e calma, o tema “Eco” - iluminado a verde e com informação que fomenta uma condução ecológica -, e o tema “Performance”, mais desportivo e com a iluminação de fundo em vermelho, sem dúvida o melhor adaptado ao S60 R-Design que calhou para ensaio.
Para melhor perceber as diferenças do interior veja-se os ensaios realizados ao Volvo S60 D3 2.0D/163 cv e ao Volvo V60 1.6 DRIVe/115 cv, ambos em 2011.
Uma vez que não se verificaram alterações quer na habitabilidade quer na restante funcionalidade do habitáculo, mantêm-se válidas todas as impressões então recolhidas.
Sem descurar o facto da Volvo ser uma das marcas que mais investe e que mais equipamento de segurança e ajudas à condução dispõe, para o reforço do equipamento nestes domínios.

Cinco cilindros favorecem o binário

Motorizado com o bloco turbodiesel de 2,0 litros e cinco cilindros, integralmente em alumínio, o conjunto testado assentava sobre chassis desportivo “R-Design”, 15 mm mais perto do solo.
Embora este chassis apresente afinações mais orientadas para a performance (sem esquecer pneus com apenas 4 cm de perfil…), a versão não peca por grande desconforto ou menor insonorização. É verdade que as reacções são mais secas perante piso irregular, mas existe uma notável capacidade de amortecimento que não interfere com o comportamento preciso e desportivo da versão.
Contudo, consoante o nível de equipamento escolhido, existem mais configurações do chassis ajustadas às necessidades do consumidor.
Há que realçar dois aspectos (re)confirmados ao longo do ensaio: é que embora estejamos a falar de um motor que apresenta valores de potência elevados (163 cv) e de binário (400 Nm), o facto de ser um penta-cilíndrico e de contar com um bom relacionamento com a caixa manual de seis velocidades, acaba por facilitar, tornar confortável e elástica a condução do S60 em percursos urbanos.
Efectivamente, este motor produz entregas de força muito cedo e revela uma elasticidade que dispensa o recurso constante ao manípulo das mudanças.
Depois, há que contar com tecnologias como o sistema “start/stop” ou o carregamento de energia nas travagens, que cooperaram para assegurar que o consumo médio, no final do ensaio, fosse de apenas 5,7 litros.

Preços

O S60 tem preços que começam nos 35 mil euros para o modelo equipado com o motor D2 1.6D de 115 cv. Com o motor 2.0 D/163 cv esse valor sobe para poucomais de 39 mil, havendo que acrescentar cerca de 4900 euros para aceder ao nível R-Design.
Detalhes mais precisos e completos sobre a renovada série 60 constam no texto da sua apresentação (disponível AQUI)

Dados mais importantes
Preços desde
44.104 (D4 R-Design)
Motor
1984 cc, 5 cil/20 V, 163 cv às 3500rpm, 400 Nm das 1500 às 2750 rpm, common rail, turbo, geometria variável, intercooler
Prestações
220 km/h, 9,2 seg. (0/100 km/h)
Consumos (médio/estrada/cidade)
4,3 / 3,9 / 5,1 litros
Emissões Poluentes (CO2)
114 gr/km

-->

Sem comentários